terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Imagem e Representação

Indico, aqui, um texto muito bom para quem quer aprofundar sobre a temática da Imitação que tratamos anteriormente. É o livro Piaget: imagem mental e construção do conhecimento.



A sinópse do livro nos diz que:

A finalidade desta obra é estabelecer as relações entre a representação imagética, ou imagem mental (IM), e a construção do conhecimento na criança, ou seja, o papel da imagem mental na formação do conhecimento do mundo real, segundo a Psicologia e Epistemologia genética de Jean Piaget. A partir do percurso detalhado de toda a ampla e fecunda obra de Piaget, o autor contribui efetivamente ao expor, integral e ordenadamente, os fundamentos dos trabalhos que tem realizado, como pesquisas de diagnóstico e intervenção, com crianças marginalizadas, abrindo uma nova perspectiva para a reeducação de crianças com graves deficiências na formação das estruturas operatórias elementares, devido ao comprometimento no nível do pensamento representativo. Este livro interessa tanto do ponto de vista teórico como por suas implicações na prática psicopedagógica.
Fundamental para quem quer ter uma aproximação à teoria piagetiana, mas prefere um caminho mais suave que os próprios textos de Piaget.

Vale a leitura!

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Matrix on Windwos XP

Olá! Vi no site Br-Linux, achei muito interessante e resolvi compartilhar.


video

Divirtam-se

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Imitação, só é interna mais tarde

Sem muito o que fazer no domingo, dia que tiro para descansar e, por isso, não estava estudando. Acabei por assistir ao Fantástico. Um show de inutilidades, mas que acaba por aliviar a tensão de uma atividade acadêmica intensa (é as vezes o besteirol nos ajuda ;-).

Bem, críticas à parte me chamou a atenção um novo quadro que pretende falar sobre neurociências, mais precisamente sobre o funcionamento do cérebro. E, das duas reportagens que foram apresentadas uma, em particular me chamou a atenção, que fala sobre a questão de bocejarmos simplesmente quando vemos alguém, ou mesmo um animal bocejando ou até mesmo quando vemos a foto de um bocejo. A reportagem pode ser vista no vídeo abaixo.

video


Não vou elencar aqui todos os argumentos, pois poderão ser analisados na própria reportagem. Mas um me chamou muito a atenção, quado ela diz:
Algumas imitações se exteriorizam, viram gestos. Mas a maioria acontece só no cérebro. Mais especificamente, no cortéx pré-motor, onde ficam os neurônios-espelho, que têm esse nome justamente porque refletem as ações que vemos
Nessa argumento, ela passa a informação de que somente algumas das imitações se exteriorizam enquanto gestos, enquanto comportamentos. O restante seriam internas, acontecendo somente no cérebro. Bem, se isso acontece, só podemos afirmá-lo para o caso da vida adulta, onde o sujeito já está totalmente formado. Pois, a Epistemologia Genética nos deixa claro que as primeiras imitações, que ocorrem ainda no período sensório-motor, são totalmente externas, são imitações de comportamentos e gestos realizados pela criança, de forma externa e não interna.

A internalização da imitação é que da origem, segundo a Epistemologia Genética, ao pensamento. A coordenação dos esquemas motores que permitem à criança imitar, externamente, pelo comportamento, o que acontece à sua volta e, só posteriormente é que ela terá condições de executar as imitações de forma internalizada.

Portanto, apesar de ser uma meia-verdade, pois fala do que acontece no indivíduo adulto já constituído, a reportagem peca por trazer uma informação que não é 100% correta. Principalmente ao mostrar crianças imitando, o que eu julgaria ser uma contradição performativa, pois afirma que somente algumas imitações se exteriorizam, mas mostram crianças imitando e externamente, ou seja, por comportamento!!!

sábado, 1 de novembro de 2008

As vezes acontece

Minha experiência com o Kubuntu tem sido muito interessante como mencionei em post anterior, contudo as vezes pequenos problemas acontecem. Ai é que temos outra grande vantagem do Software Livre: a comunidade.

Estava com o seguinte problema: após a inicialização do meu computador, minha tela dava algumas piscadelas chatas a intevá-los de 10 em 10s, algo realmente muito estranho. A configuração do monitor estava correta, tanto na resolução quanto na atualização do mesmo.

Bem, fiz contato com listas, foruns e no canal IRC #kde-brasil (pois no Kubuntu o ambiente gráfico é o KDE) o piacetini me deu a dica de um blog gringo que teria uma possível solução, pois problema semelhante acontecia ao ter ligados dois monitores simultaneamente. Bem a solução segue abaixo:
  1. Entrar em Configuração do Sistema;
  2. Selecionar a aba Avançado;
  3. Selecionar o Gerenciador de Serviços;
  4. Parar o serviço e desmarcar o 'check box' do Detecting RANDR (monitor) Changes;
  5. Aplicar;
  6. Salvar configuração.
Pronto, nada absurdo, mas claro que dependeu, principalmente, da ativa e muito competente comunidade de usuários do Kubuntu e do KDE. Normalmente com software proprietário, o qual vc tem que pagar por uma licença de uso e, também, pagar por suporte. Agora e se for uma cópia ilegal onde vc encontrará suporte para sanar problemas como esse?

Kubuntu - Uma opção para Liberdade

Tenho utilizado já a algum tempo o sistema operacional Linux, em sua distribuição Ubuntu! Tem sido uma experiência muito interessante e tem me suprido em todas as necessidades de uso do computador, além de se mostrar muito, mas muito mais fácil de se utilizar do que imaginamos.

Um dos primeiros mitos que desabou - e como filósofo temos a função de compreender o mito, mas substituí-lo por uma explicação racional - foi o mito da dificuldade de se utilizar um sistema Linux. O Ubuntu, com o ambiente gráfico Gnome e o Kubuntu, que é a mesma distribuição mas com ambiente gráfico KDE, são muito fáceis de se usar e de se configurar. Não tive problemas com absolutamente nada em meu computador, tudo foi reconhecido automaticamente: som, vídeo, rede, wireless, touchepad (pois uso um notebook!!), enfim, tudo foi automaticamente reconhecido e estava pronto para uso logo após a instalação do sistema.

Num primeiro momento utilizei o Ubuntu, com ambiente gráfico Gnome. É interessante, leve e muit intuitivo. Contudo, por questão de pura estética preferi fazer a migração para o Kubuntu. Nisso vemos mais uma vez as vantagens da Liberdade que temos com o Software Livre, pois eu não precisei gastar com duas licenças só para experimentar dois ambientes gráficos de uma distribuição Linux. Simplesmente fiz o download e as instalei no meu micro. Sem custo e, vejam bem, sem que isso fosse pirataria, pois ambos Ubuntu e Kubuntu são Softwares Livres e gratuítos.

Não sinto falta de absolutamente nada do Windows, uso o OpenOffice, em sua versão brasileira chamada BROffice, como substituto da suite de aplicativos para escritório (editor de texto, planilha eletrônica e gerador de apresentações/slides), mas como tenho utilizado muito mais o sistema de composição em LaTeX até mesmo para gerar minhas apresentações não sinto a menor falta desses aplicativos.

Aqui uma imagem de minha atual área de trabalho no Kubuntu 8.10




Bem, é uma experiência que recomendo fortemente. Pois nos sentimos mais donos de nossas máquinas, pois o sistema operacional Linux considera que existe um usuário do outro lado e, por isso, não faz tudo sozinho e, muito menos, permite que sejam instaladas coisas automaticamente, mas há a necessidade de permissão para se fazer isso. Tais permissões são dadas pelo nível de usuário e somente o usuário Administrador é que pode fazer tais instalações. Quando entramos no sistema não entramos como Administrador e sim como um usuário comum, ou seja, sem muitos privilégios o que protege o sistema de virus e scripts maliciosos que se aproveitam das falhas, mas principalmente pelo fato de alguns sistemas operacionais terem como padrão a entrada já com o usuário Administrador o que permite que scritps automáticos executem tarefas que seriam restritas se fossem de outros níveis os usuários logados no sistema.

Usabilidade, segurança e liberdade sem um alto custo, e dependendo da distribuição, e a Ubuntu/Kubuntu é uma delas, é totalmente de graça. Essas são as vantagens de se utilizar não só o Sistema Operacional mas todos os outros sofwares em Código Aberto e Software Livre.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Folk Psychology ou, simplesmente, Psicologia Popular

Para compreender o comportamento humano, a partir dos estados mentais, são utilizadas muitas terminologias, tais como: psicologia da crença-desejo, psicologia do senso comum; mas a consagrada pela literatura especializada é a Folk Psychology, ou numa tradução um tanto grosseira: Psicologia Popular.

Segundo a Enciclopédia das Ciências Cognitivas do Instituto Tecnológico de Massachusetts, Folk Psychology é uma psicologia do senso comum que procura explicar o comportamento humano em termos de crenças, desejos, intenções, ou seja, em termos de estados mentais.

O pesquisador da Universidade de Nijmegen, Holanda, Prof. Willem F. G. Haselager nos diz que, a Folk Psychology é caracterizada pelo uso de um vocabulário em que conceitos mentais como "crença", "desejo" etc., são utilizados grandemente, de modo que podemos compreendê-la como uma busca por descrever o comportamento humano a partir de um vocabulário próprio que tem nas expressões ligadas aos estados mentais suas grandes representantes.

Assim, a Folk Psychology adota os conceitos provenientes dos estados mentais de conteúdo proposicional e, portanto, possibilita que os mesmos sejam passíveis de avaliação semântica, além do fato de terem o poder causal, ou seja, a capacidade de um estado mental ser a causa de um comportamento específico, como, por exemplo, as chamadas doenças psicosomáticas.

Desse modo, compreendida a Folk Psychology, nos dá quatro características centrais para os estados mentais, a saber:

  1. Os estados mentais têm conteúdo;
  2. Os estados mentais podem nos levar a diferentes atitudes em relação ao seu conteúdo;
  3. Os estados mentais desempenham um papel explicativo na Folk Psychology
  4. Os estados mentais são funcionalmente distintos.
Contudo, existem teóricos que rechaçam a Folk Psychology, e defendem a necessidade da elminação de sua terminologia para que tenhamos um vocabulário mais apropriado para a descrição do comportamento humano, pois o vocabulário originado dos estados mentais não possui uma existência real e, por outro lado, a neurofisiologia contemporânea mostra que não há estados intencionais desse tipo, mas somente neurônios, sinapses, ou seja, configurações materiais no cérebro.

O que nos leva a concluir que não existe nenhuma possibilidade de conciliação implicando na eliminação do vocuabulário mentalista ao se fazer ciência cognitiva ou filosofia da mente.

Popularmente não há problemas em se utilizar do vocabulŕio mentalista para se referir a estados mentais, mas é interessante sabermos que muitas vezes quando falamos que uma pessoa tem medo do escuro estamos utilizando um vocabulário impróprio para a descrição de tal comportamento.

sábado, 11 de outubro de 2008

Chegamos ao fim do XIII Encontro Nacional da ANPOF

É, nem tudo que é bom é para sempre, na verdade a grande maioria das coisas boas da vida são efemeras.

O XIII Encontro Nacional de Filosofia da ANPOF, na minha avaliação, foi um sucesso. Foram momentos de rica troca de conhecimentos com as comunicações, mini-cursos e plenários e, mais rico ainda, o intercâmbio que se deu nos momentos informais como almoços, caminhadas, conversas de corredor, enfim, contatos em geral.

Saldo mais que positivo e desafio para a nova diretoria para o próximo, pois quanto melhor é um evento mais desafios tem a organização para trabalhar e fazer um evento ainda melhor.

Canela-RS respirou filosofia intensamente por uma semana. Nos bares, restaurantes, lanchonetes, etc. Em todos os lugares havia grupos de filósofos conversando sobre seus trabalhos de pesquisa a ponto de ter ouvido o seguinte comentário de um dono de lanchonete: "Bah! Vocês estão revolucionando Canela, afinal agora sirvo mesas em que o papo é de um nível totalmente diferente do que estamos acostumados"...

Que realmente a filosofia promova essa revolução no pensar e na maneira de ver o mundo das pessoas que estão à nossa volta. E que tenhamos, cada vez mais, cidadãos e cidadãs críticos e esclarecidos que contribuam para uma sociedade mais justa.

Sigamos em frente, pois a vida volta ao normal!!!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Diário de Bordo do XIII Encntro Nacional da ANPOF

Está sendo bem complicado manter o diário de bordo como eu gostaria. As atividades são intensas e quando chego ao quarto do hotel estou realmente exausto!

O mini-curso "Racionalidade Científica" está muito interessante. Temos trocado experiências com professores de alto nível e, ao que tudo indica, vou aderir ao GT de Filosofia da Ciência, mas não é certo ainda, vamos ver....

Ontém (08/10) foi minha apresentação, uma comunicação intitulada: Contribuições da Epistemologia Genética à Teoria do Conhecimento. Confesso que me surpreendi com a audiência da mesma. Professores de renome estavam presentes e isso contribuiu não só para um debate muito bom como para que meu nervosismo fosse exagerado....

No mais a cidade é muito agradável, contudo está fazendo muito frio, muito mais que o esperado. Tivemos uma noite com chuva, na qual a temperatura chegou à 4º e não muda muito durante o dia não.

Bem pessoal, por hoje é só ....

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Diário de Bordo do XIII Encntro Nacional da ANPOF

Chegamos, ontem (06/10) às 16h30min, após 17h de viagem.

A recepção foi calorosa e tive, já, a oportunidade de rever alguns colegas da graduação que estão em outros programas, bem como professores da graduação.

Estamos com mais de 1400 filósofos reunidos. Isso é engraçado, pois até a governadora do estado do RS que esteve na solenidade de abertura se perguntou: "O que tantos filósofos teriam para discutir em uma semana de evento?".

Realmente, não deixa de ser engraçado, já que a visão que todos tem dos filósofos é daquele sujeito que vive no mundo da lua e, portanto, corre sérios riscos de cair num buraco (parafraseando um antigo sofista hehehe)

Aqui faz frio, mas só à noite. Agora pela manhã a temperatura é agradável! Tendendo a esquentar um pouco mais à tarde, mas ontem à noite chegou à 9ºC!

Daqui a pouco, às 10h30min, começa meu mini-curso: Racionalidade Científica, ai posto alguma coisa mais acadêmica por aqui!!!

Abraços!

domingo, 5 de outubro de 2008

Diário de Bordo do XIII Encontro Nacional da ANPOF

Amanhã, 06/10, inicia o XIII Encontro Nacional da ANPOF, como já disse em post anterior, e hoje, domingo de eleição, estamos chegando à Marília para nos reunir com os demais colegas do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UNESP/Marília, pois vamos todos de ônibus cedido pela faculdade, isso porque, como todo estudante brasileiro, estamos enfrentando as dificuldades da falta de recursos.

Será uma viagem de mais ou menos 16h, o que se houvesse recursos poderia sem bem melhor, mas vamos lá... o importante é fazer o que é preciso para construir a nossa vida acadêmica.

Segundo o Climatempo, a serra gaucha nos espera com um friozinho pra lá de aconchegante. Nada como um clima agradável (que sempre pode ser acompanhado de um bom vinho ;-) para propciar uma excelente a reflexão filosófica.

Serão dias de intensa troca, reflexão e confraternização. Nada melhor para a produção acadêmico-filosófica!!!

Amanhã posatarei sobre como foi a viagem, a chegada, a recepção é a abertura do evento!!!

sábado, 4 de outubro de 2008

XIII Encontro Nacional da ANPOF

Acontecerá de 6 à 10 de Outubro de 2008 o XIII Encontro Nacional da ANPOF (Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia).

Durante o evento ocorrerão diversas atividades, desde mini-cursos à plenárias e eleição da nova diretoria da ANPOF.

Serão apresentadas mais de mil comunicações por professores e estudantes de pós-graduação em Filosofia de todo o país. Será uma semana de intensa produtividade acadêmica, como tem sido tradicionalmente nos encontros da ANPOF.

Apresentarei a comunicação intitulada: Contribuições da Epistemologia Genética à Teoria do Conhecimento, cujo resumo da mesma (que será publicado nos Anais do evento) posto abaixo.

Resumo:

Kant, na Crítica da Razão Pura, entende existir uma estrutura a priori subjacente ao sujeito epistêmico que possibilita o conhecimento. Piaget, a partir de experimentos em Psicologia e reflexões epistemológicas, também chega à conclusão, pondo-se de acordo com Kant, que o fenômeno é sempre mediado por uma forma que estrutura a experiência do sujeito epistêmico. Contudo, em Piaget, essa forma se constitui de sistemas de esquemas de ação (schèmes d'action, no original, em Francês). Esses sistemas de esquemas de ação medeiam então a singularidade de cada ação com a universalidade do Conhecimento. Segundo os dados psicológicos e as análises epistemológicas, temos ainda que esses sistemas de esquemas de ação se complexificam, e, assim, a estrutura necessária à apreensão dos fenômenos se constrói. O objetivo de nossa comunicação é analisar a herança kantiana na teoria de Jean Piaget e mostrar algumas contribuições da sua Epistemologia Genética ao debate atual em Teoria do Conhecimento; em particular que ela permite incorporar em sua reflexão dados atuais da Psicologia sem ainda se confundir com esta.

Durante o evento postarei minhas experiências e vivências nesse grande evento.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

O Isomorfismo entre Causalidade e Implicação e o Paralelismo Psico-Fisiológico na Epistemologia de Jean Piaget**

Na busca de uma explicação para a Teoria da Consciência, muitos caminhos já foram trilhados, a ponto de a compararem com a busca alquimista pela ‘Pedra Filosofal’, no sentido de ser a compreensão da Consciência o limite último das Ciências e da Filosofia.

Diante desse desafio propomos, a partir de algumas contribuições de Jean Piaget, principalmente, em seu texto A Explicação em Psicologia e o Paralelismo Psico-Fisiológico, debater essa temática e desenvolver a hipótese de um isomorfismo entre causalidade, noção relacionada às leis físicas, e, assim, relacionada, também, aos fenômenos fisiológicos do organismo propriamente ditos, e implicação, noção relativa ao raciocínio lógico dedutivo e às possibilidades de atribuição de valor de verdade lógico, sendo esses considerados como funções específicas da Consciência.

Consideramos, então, a possibilidade de nossa hipótese de trabalho vir a unificar a discussão teórico-científica e filosófica rumo à compreensão da Consciência, já que: proporciona uma visão que não é dualista e nem descarta a Consciência, como algo inexistente, mas ao contrário, aceita a sua existência e a sua especificidade, e mostra como lhe atribuir lugar, não espacial, mas funcional, na conduta humana e nos fornecer elementos que nos permitem não só falar sobre manifestações, fenômenos ou estados conscientes, mas correlacioná-los com o comportamento do indivíduo enquanto organismo vivo, tendo acesso ao que antes nos parecia inatingível por ser, supostamente, subjetivo.

**Resumo de comunicação apresentada e publicada nos Anais do XII Encontro Nacional de Pós-Graduação de Filosofia da ANPOF em 2006.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

O Conceito de Justiça em Platão

Introdução

Nossa intenção com esse texto é traçar o desenvolvimento da argumentação de Platão, nos quatro primeiros livros do diálogo “A República”, no intuito de compreender o conceito de Justiça, como conceito base para sua filosofia política.

Como Platão se serve do diálogo como estrutura literária para a composição de seu texto, procuraremos delinear a argumentação seguindo seu estilo, ou seja, utilizando das personagens como portadoras dos conceitos que são tratados até que por fim Sócrates, porta-voz de Platão, fazendo uso de sua maieutica venha a conceituar Justiça.

Não é nosso objetivo aprofundar uma discussão mas sim provocar o leitor numa busca por fundamentar sua postura ética, principalmente no que tange à questão de Justiça, com um pensador Clássico como Platão.

Céfalo

Platão inicia seu diálogo dando a localização e os afazeres das personagens, principalmente Sócrates que atua como narrador-personagem na história.

Ao irem ao Pireu para uma festa celebrada em honra da deusa (cf. 327a) Sócrates, acompanhado de Glaucon (irmão de Platão), é reconhecido por Polemarco que imediatamente, ao perceber que Sócrates estava para retirar-se, o impede e convida-o para que fosse à sua casa no intuito de terem um prazeroso diálogo. Começa a apresentação de algumas personagens que terão importante participação na seqüência do diálogo.

O importante a salientar, nesse primeiro momento, é o diálogo que se inicia com Sócrates e Céfalo no momento em que Sócrates chega à casa de Polemarco. Ë de suma importância esse primeiro momento, pois o mesmo delineia a necessidade de se definir justiça, ou seja, é ele quem vai pautar a discussão.

Ao ser interpelado por Sócrates sobre como encara a velhice, Céfalo faz inúmeras descrições e distinções sobre tal tema, o mais importante a ser salientado esta na sua afirmação a respeito da proximidade da morte, o que faz com que todo homem passe a repensar a vida e, principalmente, como a viveu no sentido de estar digno para gozar o pós-morte que, afinal, estando ou não certas as lendas e crenças, são preocupantes a todo aquele que esta para encará-la. Pois, nas próprias palavras de Céfalo: “(...) depois que uma pessoa se aproxima daquela fase em que pensa que vai morrer, lhe sobrevem o temor e a preocupação por questões que antes não lhe vinham à mente.” (cf. 330d) E tais questões são a possibilidade de se ter vivido uma vida justa, evitando-se assim o Hades.

E, deste modo, toda a discussão, que perpassa os livros de I a IV da República, versa sobre esse tema tão próprio: A Justiça.

E como não poderia deixar de ser Céfalo tem sua própria definição, ou seja, que: “Não ludibriar ninguém nem mentir, mesmo involuntariamente, nem ficar a dever, seja sacrifícios aos deuses, seja dinheiro a um homem, e depois partir para o além sem temer nada (...)” (cf. 331b) que Sócrates vai simplificar dizendo: “(...) dizer a verdade e restituir aquilo que se tomou.” (cf. 331d).

Sócrates vai propor uma série de argumentos que vão inutilizar essa conceituação, principalmente ao se referir que se alguém que em pleno juízo lhe der algo (no exemplo ele usa armas) e, após, num momento em que se encontra desarrazoado lhe pede que seja devolvido é ou não justo o fazer? A este questionamento Céfalo se vê sem possibilidades de responder e, por força maior (ir preparar-se para o sacrifício) se retira do diálogo, passando a responsabilidade de continuar o mesmo para seu filho Polemarco.

Polemarco

Após uma tentativa, praticamente inútil, em defender o argumento de seu pai, Polemarco acaba por definir de maneira distinta, ou seja, chega à conclusão de que Justiça é: “(...) auxiliar os amigos e prejudicar os inimigos.” (cf. 334b). Mas a grande problemática que enfrenta diante de Sócrates está nos termos que usa em sua definição: amigo e inimigo.

Ao final de uma vasta discussão, Sócrates lhe mostra que a Justiça não vê a quem ela é útil, se a amigos ou a inimigos. Deste modo Sócrates lhe mostra que a justiça é praticada por que a pessoa é justa e não em vistas à quem ela é direcionada, ou seja, se só pratica-se a justiça quando auxilia a um amigo, não é justiça, pois na verdade é por ser justo que se pratica a justiça e não porque o ato justo é feito a um amigo, sendo assim é impossível ao justo pratica a injustiça, mesmo que esta seja a um inimigo, pois é de sua natureza fazer a justiça.

Trasímaco

Não contente com a situação do diálogo, Trasímaco, famoso sofista que torna-se personagem de Platão nessa obra, coloca Sócrates contra a parede afirmando que o mesmo fica somente a questionar, mas ele mesmo não oferece nenhum conceito de Justiça que lhe seja aprazível. Após uma longa introdução feita, mais como um requinte de estilo literário, Sócrates faz com que Trasímaco dê seu conceito de Justiça, o qual afirma que é: “(...) a conveniência do mais forte.” (cf. 338c). É claro que Sócrates o trata ironicamente, já na primeira refutação a tal conceituação, pois coloca que se Polidamas (lutador de pancrácio) por ser mais forte que todos os presentes e lhe é conveniente uma dieta a base de carne, então se torna justo ter uma dieta a base de carne por todos que presente se faziam na reunião. Fazendo, com isso, que Trasímaco se irrita-se cada vez mais e pusesse a definir melhor seu conceito.

Começa por defini-lo como sendo a conveniência do governante, pois este faz as leis como lhe apraz. Mas quanto a esse argumento, Sócrates demonstra com perfeição que é falacioso, tendo em vista que o bom governante (claro que num projeto ideal) faz leis com vistas à conveniência dos cidadãos e não de si mesmo, o que leva a conclusão que, nas palavras do próprio Sócrates:

(...) nenhum chefe, em qualquer lugar de comando, na medida em que é chefe, examina ou prescreve o que é vantajoso a ele mesmo, mas o que o é para o seu subordinado, para o qual exerce a sua profissão, e é tendo esse homem em atenção, e o que lhe é vantajoso e conveniente, que diz o que diz e faz tudo quanto faz. (...) Portanto, Trasímaco, é desde já evidente que nenhuma arte nem governo proporciona o que é útil a si mesmo, mas, como dissemos há muito, proporciona e prescreve o que o é ao súdito, pois tem por alvo a conveniência deste, que é o mais fraco, e não a do mais forte” (Cf. 342e; 346e).


Após essa demonstração, por mais ardilosa manobra Trasímaco intenta em demonstrar que ser injusto é ser prudente e ser justo não passa de uma ingenuidade. Ao que Sócrates rebate e demonstra perfeitamente que a justiça só pode trazer satisfação e felicidade enquanto que a injustiça só traz desgraça e desventura. E, assim, “(...) jamais a injustiça será mais vantajosa do que a justiça (...)” (Cf. 354a).

Glaucon

Após este embate de Sócrates com Trasímaco, Glaucon não se dá por satisfeito e passa a interrogar a Sócrates propondo a existência de três modalidades de bens que os homens anseiam, são eles:

  1. Aqueles que queremos possuí-lo pelo puro e simples prazer de os possuir, pois geram tais prazeres por si só;
  2. Aqueles que queremos possuí-lo não só pelo prazer que proporciona por si só, mas também pelas conseqüências benéficas em os possuirmos;
  3. E, por fim, aqueles que queremos possuí-lo por que nos traz algum rendimento — seja em dinheiro ou em honraria —, apesar de não nos proporcionar prazer algum, muito pelo contrário, o mesmo nos é penoso.

E, dentro destas categorias de bens, Glaucon pede a Sócrates para que qualifique a Justiça, o qual a coloca como sendo um bem da segunda categoria, ou seja, que nos proporciona prazer por si só e pelas suas conseqüências. Glaucon o desafia ao afirmar que esse não é o parecer da maioria, pois é consenso, segundo Glaucon, que a Justiça gera honrarias, apesar de ser penosa e que deva ser evitada, quando possível. E, dessa forma, propõem a Sócrates um diálogo onde defenderia e louvaria a injustiça na expectativa de que Sócrates pudesse refutá-lo louvando, assim, à Justiça.

Glaucon propõem realizar a seguinte tarefa: afirma o que deva ser a justiça e sua origem, em seguida demonstrar que todos que a praticam o fazem por obrigação e não por escolha própria, pois, segundo ele, “(...) é natural que procedam assim, porquanto, afinal de contas, a vida do injusto é muito melhor do que a do justo, no dizer deles.” (cf. 358c). Desta monta, Glaucon argumenta que a justiça tem sua origem em leis que impedem a prática da injustiça e oferece o exemplo do anel achado por Giges que ao girar o engaste para o lado de dentro da mão o torna invisível e ao girar de volta para fora o torna, novamente, visível. E com esse poder, Glaucon afirma que qualquer homem, justo ou injusto, percorreria o mesmo caminho, ou seja, o da ambição e, portanto, da prática da injustiça, visto estar impedido de ser reconhecido ao praticar a injustiça e, assim, parecer ser justo. E conclui seu argumento afirmando que o melhor, desde esse seu ponto de vista, é se parecer justo, sendo na verdade injusto. Em suas próprias palavras temos:

(...) ninguém é justo por sua vontade, mas constrangido, por entender que a justiça não é um bem para si, individualmente, uma vez que, quando cada um julga que lhe é possível cometer injustiças, comete-as. (Cf. 360c)
E continua sua argumentação afirmando que entre dois homens, um justo e outro injusto, se cada um a sua maneira for perfeito, um na justiça e outra na injustiça, o que for justo se granjear para si fama de injusto, mesmo não o sendo, sofrerá as penas como se fosse um homem injusto, já o homem injusto se granjear para si fama de justo, terá todas as honrarias de homem justo, mesmo não o sendo. Isto demonstra, segundo Glaucon, que as honrarias não serão pelas evidências de justiça mas pelas aparências de justiça. O cerne da argumentação de Glaucon, que é defendida por Adimanto, também, está no fato destes acreditarem que: “(...) a aparência, como me demonstram os sábios, ‘subjuga a verdade’ e é senhor da felicidade (...)” (cf. 365bc).

Finalizando a discussão Sócrates, interlocutor de Platão em seus diálogos, apresenta que Justiça é cada um fazer aquilo que lhe cabe na sociedade, nem mais nem menos. Conceito discutível, com certeza, mas fica a provocação, será que fazemos ao menos o que nos cabe em nossa socidade? e o que, enquanto cidadãos do século XXI de uma socidade ocidental latino-americana, nos cabe a ser feito?

Assim temos uma formulação, feita em discussão, sobre o conceito de Justiça! Fica, para nós, mais uma vez a provocação de, ao menos, discutirmos nossos posicionamentos na sociedade!

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Kant e sua Revolução Copernicana**

Na busca de se compreender o processo de consolidação da Modernidade, principalmente no que tange à Teoria do Conhecimento, é de vital importância uma abordagem da imensa contribuição que o filósofo prussiano Immanuel Kant (1724 – 1804) nos deixou. Bem vale lembrar que foi em Kant, por cujo questionamento lógico-transcendental a teoria do conhecimento atingiu pela primeira vez consciência de si mesma.

A obra kantiana é extremamente complexa. Ele discriminava três faculdades da mente humana: conhecer, julgar, querer. Sua preocupação está em compreender todo o processo do conhecimento humano e como este influi no cotidiano. Não podemos aqui simplesmente dividir a obra kantiana para que possamos abordar um aspecto que nos pareça relevante, isso, com certeza, fará com que nossa interpretação seja parcial e incorreta. O trabalho desse filósofo se dá nessas três vertentes e sob elas é que deve ser interpretado.

É nosso objetivo aqui analisarmos de forma isolada a Teoria do Conhecimento de Kant, para que possamos chegar a uma compreensão profunda da mesma. Teremos em mente que ela não está dissociada das Teorias Moral e Estética. Sua compreensão é de que todo conhecimento tem início na experiência, contudo, vai mais longe que Hume, aquele que o despertou do sono dogmático, acrescentando que isso não implica necessariamente que todo conhecimento provenha da experiência, mas que poderia muito bem acontecer que mesmo o nosso conhecimento de experiência seja um composto daquilo que recebemos por impressões e daquilo que a nossa própria faculdade de conhecimento fornece de si mesma.

Assim, Kant chega à conclusão de que temos três possibilidades de juízos: analíticos, sintéticos a priori e sintéticos a posteriori. Sua concentração maior se dará em demonstrar a existência dos juízos sintéticos a priori. O movimento argumentativo kantiano tem por objetivo demonstrar a imperiosidade dos juízos sintéticos a priori, posto que os mesmos são os únicos a possuírem o caráter de universalidade e necessidade que evitam a forçosa assunção de uma atitude falibilista e relativista com relação ao conhecimento. Ademais, graças ao seu caráter sintético, eles garantem o progresso do conhecimento e afastam a possibilidade do dogmatismo baseado em verdades absolutas e conhecimentos imutáveis.

A grande questão que Kant vai colocar é: o verdadeiro problema da razão pura está contido na pergunta: como são possíveis juízos sintéticos a priori? Vemos, então, que Kant pretende ir além da Metafísica tradicional, como também das correntes filosóficas predominantes de seu tempo, tais como Racionalismo, Empirismo e Ceticismo, aproveitando as contribuições que essas correntes modernas da Filosofia lhe legaram, principalmente da Crítica Cética de David Hume, levando às últimas conseqüências e sendo radicalmente distinto desta.

**Resumo de comunicação apresentada e publicada nos Anais do I Colóquio de História da Filosofia - Bicentenário da Morte de Kant, promovido pelo Departamento de Filosofia da UNESP-Marília em 2004.

Crítica Piagetiana ao Esquema Estímulo-Resposta do Associacionismo**

Propomos uma pequena provocação para inciar postagens acadêmicas desse blog. A provocação consiste em apontar a possível crítica de Jean Piaget à adequação do esquema estímulo-resposta proposto pelo associacionismo para a explicação do comportamento.

Brevemente, podemos dizer que, na interação entre o sujeito-organismo e o meio, há uma substancial troca de informação. Essa troca depende do sistema de esquemas de ação do qual o sujeito-organismo é constituído. Entender a assimilação da informação pelo sujeito-organismo implica, assim, a compreensão da dinâmica de construção desse sistema de esquemas.

A dinâmica de construção desses esquemas se dá pelo processo de adaptação do sujeito-organismo ao meio. Assim, segundo Jean Piaget, o sujeito-organismo é constituído por uma estrutura adaptativa prévia que lhe permite assimilar a informação, mas ao assimilar a informação sua estrutura pode se modificar, por acomodação, transformando a nova assimilação de um mesmo estímulo pelo sujeito-organismo. Nesse sentido, um mesmo estímulo (informação fornecida pelo meio) pode gerar respostas diferentes no mesmo sujeito-organismo.

Dessa forma, temos que a explicação do comportamento do sujeito-organismo não se traduz adequadamente pelo esquema estímulo-resposta proposto pelo associacionismo.

** Resumo de comunicação apresentada e publicada nos Anais do V Encontro Internacional de Informação, Conhecimento e Ação - Informação, Tecnologia e Ação, promovido pela Sociedade Brasileira de Ciência Cognitiva - SBCC e pelos Programas de Pós-Graduação em Filosofia e Pós-Graduação em Ciência da Informação da Faculdade de Filosofia e Ciência da UNESP - Marília-SP em Outubro/2007.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Desvio ético na academia

Após algum tempo de investigação e julgamento a USP condenou os professores do Instituto de Física (prefiro não citar nomes) por plágio.

Contudo, a condenação foi branda, pois a comissão de ética da USP considerou que o acontecimento não foi deliberado (apesar de ter ocorrido em dois artigos diferentes e os autores plagiados não são os mesmos!!!) ou ato de má fé! O comunicado da comissão diz: "Houve um desvio ético na redação dos mesmos por uma inaceitável falta de zelo na preparação dos artigos publicados" (cf. matéria on line da Folha de São Paulo).

Agora, sejamos francos! Se houvesse um maior rigor na formação dos profissionais, até mesmo de áreas das Ciências Naturais como a Física, punindo-se os alunos por esses desvios éticos acredito eu que não teríamos problemas como esse.

Mas é notório que não só plágio, mas como a compra de trabalhos acadêmicos (até mesmo os famosos TCC's), o que não configura plágio pois o trabalho pode ser, realmente, original, mas não feito por quem o entrega à banca examinadora, ocorre na realidade acadêmica brasileira. O que é uma vergonha.

Sou mestrando em Filosofia, defendo minha dissertação em Dez/2008, e o que já recebi de propostas para fazer trabalhos para outras pessoas não está escrito!! Desde simples resumos de obras, solicitadas como trabalho para disciplinas até mesmo a confecção de trabalhos inteiros de pesquisa. É vergonhoso!!

Temos, como membros da academia, que levantar nossas vozes e pensar uma maneira de coibir esse tipo de "desvio ético" já no início da vida acadêmica e não somente em casos extremos como esses!

Lutemos por ética na vida e não por uma vida pautada pelo famoso "jeitinho brasileiro"!

terça-feira, 23 de setembro de 2008

De volta à Blogsfera

Olá a quem possa interessar!

Depois de um longo período, em que até mesmo excluí meu antigo blog, estou de volta.

Minha intensão é postar meus pensamentos, coisas que estão acontecendo comigo e o que mais der na minha cabeça. Textos, resenhas, pensamentos... nunca, claro, desconectado da vida acadêmica à qual abracei.

Cogito ergo sum... e por pensar é que existo é que expressarei meus pensamentos aqui... e, na medida do possível, responderei os comentários que existirem, se é que existirão....

Valeu!